segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Nova coluna (These words made this wall) + "Ele, promessas e pensamentos"

Pela primeira vez vou divulgar um texto meu (pessoal). Para quem não sabe eu gosto de escrever - desabafar - por textos e letras de músicas, algo que ninguém nunca vê, como já disse é muito pessoal. E com a criação dessa coluna "These words made this wall" - "Essas palavras fizeram este muro" (português) espero compartilhar alguns de meus textos, para que vocês se divirtam, aprendam a não cometer os mesmos erros que eu cometi e que além de tudo se identifiquem com alguns deles. Eu realmente espero que vocês gostem.

"Ele, promessas e pensamentos"


Me abraçou tão naturalmente como se fosse rotina se entregar aos meus braços, eu sentia seu corpo pulando a cada batida do seu coração a cada respiração, minha cabeça pousada em seu ombro me fez lembrar daquela vez que prometemos ficar juntos, você se lembra? Eu não me esqueci, suas palavras, sua voz as sussurrando em meu ouvido fazendo-as se tornarem tão significativas. Mas o tempo passa, afinal, e não há nada que nós possamos fazer para impedir. Eu não sei mais o que fazer, é tão complicado olhar para você da mesma forma que olhava a anos atrás, descobrir quem você realmente é por trás de suas promessas não cumpridas. Logo fecho os olhos, fujo desse mundo nem que seja por alguns segundos, não quero estremecer ao ouvir você dizer que sente muito ou que ainda me ama, para falar a verdade está difícil reconhecer que algo em você ainda faz com que eu gagueje na hora das nossas conversas e que lágrimas ainda rolam a cada brisa que sopra em meu rosto. Mas você insiste em alimentar esse batimento que irrevogavelmente só tenho ao seu lado, que me atinge bem lá no fundo.

Deito-me em sua barriga, ao olhar para o céu sinto gotas em meu rosto, porque o arco-íris só pode aparecer depois que a chuva acabar, porque tenho que me prender a você depois de você me magoar? As certezas vêem com o tempo. Sinto dizer, fiz tudo o que me coube para me livrar desse sentimento, fiz tudo o que me coube para esquecer como sua mão se encaixava perfeitamente sob minha cintura mas eu tento, todos os dias mais e mais forte, não posso me deixar levar pelas lembranças dos nossos sorrisos.

Queria novamente poder dizer que acredito em tudo o que você diz, que nossos planos para o futuro estão mais próximos do que  imaginamos, que nossa estrada está calma agora e que o caminho é curto mas não consigo, pois agora nossa estrada possui duas direções - a sua e a minha e infelizmente elas não se cruzam - as palavras apenas não passam pela minha boca. Eu quero você, mas eu me quero antes, não posso me afogar novamente sabendo que dessa vez talvez eu não consiga voltar a superfície a tempo.

4 comentários:

  1. Michelle, você escreve muito bem! Sério, até arrepiei lendo esse texto... Nunca passei por algo do tipo, mas acompanhei de perto o sofrimento de pessoas próximas a mim. Não posso afirmar que entendo essa situação (já que nunca passei por ela), mas estou próxima disso. Adorei a nova coluna, vou esperar ansiosa pelos seus próximos textos! <3

    Abraços,
    http://leitorasanonimas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Obrigado mesmo Leitoras Anônimas, você não sabe o quão bom é ouvir isso, espero que você goste dos próximos textos ;D

    ResponderExcluir